A VozInstitucionalReportagem

Um pequeno-grande periódico foi visitar um gigante

Haverá alguém que nunca tenha ouvido falar de uma instituição nacional, de seu nome, Semanário Expresso, agora EXPRESSO50? Tem praticamente a idade da nossa Democracia – nasceu em 6 de Janeiro de 1973. Um ano e três meses depois, chegaria Abril trazendo consigo uma promessa generosa de democracia para todos.

Francisco Pinto Balsemão era, simultaneamente, dono, administrador e diretor do jornal. Por ali passou a elite pensante do nosso país. Balsemão foi o “Pai” do projecto, prova que, ainda hoje, se confirma pelo nome que ostenta no cabeçalho com a designação de “Fundador”! Conta o Director-adjunto, David Dinis, que, em cinquenta anos de vida, nunca Pinto Balsemão censurou uma única notícia escrita pelos seus jornalistas! Louvável exemplo de liberdade!

Vamos então ao que realmente importa!

Aconteceu aos 18 dias do mês de Janeiro de 2024, quando dois representantes do jornal local “A Voz de Paço de Arcos”, a sua sub-directora e um dos responsáveis pela publicação online, empreenderam uma visita guiada ao coração do gigante Expresso, no âmbito do seu programa de “Visitas à Redação”. Agora a viver em comunhão com a cadeia de televisão SIC, ambos integrantes do Grupo Impresa Publishing SA, num edifício que partilham em Paço de Arcos, ambos desfrutam de condições dignas do que de melhor se pode encontrar a nível mundial na área da comunicação social. A pautar e a debitar toda a informação essencial a este tipo de visita, esteve o irrepreensível diretor-adjunto do semanário, David Dinis.

Senhor de uma vasta experiência na área da informação, connosco partilhou os meandros do que é trabalhar num órgão de comunicação desta envergadura, conduzindo o interessado grupo de visitantes por corredores, estúdios, salas, régies, enfim, pelo interior daquele corpo de profissionais e colaboradores cuja missão é fazer-nos chegar o que de mais relevante se passa no mundo, seja por via do papel ou através da sua versão digital.

Enquanto colaborador do periódico “A Voz de Paço de Arcos”, confesso que me senti pequenino. Não pela dimensão do periódico que represento, pois historicamente é, também ele, um gigante com mais de 40 anos. Mas pela dimensão, quer estrutural quer humana, que ali encontrei.

Com a hora e meia que nos foi oferecida quase, quase a terminar, seguimos para uma sala onde se respira a história recente do país: dominada por um imenso painel eletrónico que exibe a radiografia permanente de tudo o que acontece e por uma enorme mesa de madeira impecavelmente conservada. Francisco Pinto Balsemão fez questão de a trazer consigo das velhas instalações da Duque de Palmela para as belas e vanguardistas instalações de Paço de Arcos. E fez muito bem, diríamos. Pois não se trata de uma mesa qualquer, fruto do enorme valor simbólico que ostenta. Afinal, ali se desenharam e consolidaram estratégias, ali o Expresso se foi agigantando…

A sala é dominada por uma fotografia – também ela histórica e cinquentenária – de Francisco Pinto Balsemão, Marcelo Rebelo de Sousa (que integrou a equipa dos fundadores, exerceu funções de gestão, de direção e de analista de política) e de Augusto de Carvalho, que, entre outros cargos, foi Director do Jornal quando Francisco Pinto Balsemão foi nomeado Primeiro-Ministro de Portugal na sequência da morte de Francisco Sá Carneiro.

Nesta mesma mesa, repleta de história, de significado e que, minutos antes, acolhera o fecho de parte da presente edição, fechou-se igualmente a nossa visita com uma última conversa informal sobre certos dados e pormenores do jornal. Desta, transpirou igualmente a confiança que podemos depositar na forma como o jornalismo aqui é tratado, respeitado, partilhado.

Aproveitámos os ultimíssimos minutos para oferecer ao Director-adjunto alguns exemplares do nosso e vosso jornal “A Voz de Paço de Arcos” e para, muito brevemente, explicarmos que somos um Jornal Local que defende os direitos e os interesses dos habitantes de Paço d’Arcos e das vilas circundantes, quais os valores que nos regem e a multiplicidade dos temas que abordamos. Explicámos ainda que se tratava de um número “festivo”, edição número cinquenta, quarenta e quatro anos de vida!

Deu-nos os parabéns (extensivos a todos os que fazem “A, Voz” acontecer, aos sócios e aos nossos leitores); David Dinis dissertou sobre a importância da imprensa local, lamentando o desaparecimento de largas dezenas de títulos desta imprensa de proximidade.

Dos exemplares oferecidos, disse-nos que um iria direitinho para o Director do Expresso – João Vieira Ferreira!  Diríamos que aqueles minutos foram a cereja no topo de um bolo que nos maravilhou. A foto de grupo, já no átrio central da entrada, fechou a contento esta cerca de hora e meia de viagem ao mundo da informação. Ficam os agradecimentos à amável equipa que nos guiou, em especial para David Dinis, repito, diretor-adjunto do semanário, que foi de uma disponibilidade e gentileza sem mácula. Para quem deseje ingressar numa visita guiada como a que aqui descrevemos, é solicitar informações através da morada de email producaoclubeexpresso@expresso.impresa.pt.

Texto da autoria de Margarida Almeida e Miguel Teixeira

Quantas estrelas esse artigo merece?

Classificação média 5 / 5. Votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a classificar esse artigo

Como você achou este artigo útil ...

Partilhe-o nas redes sociais

Lamentamos que este artigo não lhe tenha sido útil

Ajude-nos a melhora-lo!

Diga-nos como podemos fazê-lo.

Quer receber as nossas notícias em primeira mão?

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

Miguel Teixeira

Mais de 30 anos de experiência no mundo da comunicação, especificamente nas funções de criativo, estratega e redactor publicitário. Vasto percurso por algumas das mais marcantes agências de comunicação nacionais e multinacionais, quer como elemento integrante dos seus departamentos criativos quer como freelancer. Escritor e autor de várias obras literárias, quer na área da narrativa de ficção quer no campo da poesia. Artista na área da colagem com vasta obra realizada, parte da qual já exposta individualmente ou em colectivas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Usamos cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.