Poesia

Sesimbra

Facebook
Twitter
Há uma pintura de luz
Derramada como óleo perfumado sobre a minha cabeça
Uma espécie de unção marítima
Ao ritmo da ondulação e das marés
Quando o amor inundou os nossos corpos
Com o sal das águas mais profundas
As ruas estreitas são afluentes
Aguarelas de cal na proximidade oceânica
Gravuras memórias na voz dos pescadores
Ao largo o azul turquesa
É a pictórica espera de uma estrada lunar
Um caminho distante sobre as muitas águas
Um rasto de prata no silêncio das noites
Quando a dormência se torna numa murmurante espera

Há uma pintura de luz que o mar roubou ao céu
Uma espécie de azul eterno
Contido na nebulosa dos sonhos
Quando a tua silhueta
Amor

É como o canto sedutor da maresia no corpo
marinheiro da viagem
Já não desejo a terra à vista
Passei a amar as distâncias
Quando o brilho do teu olhar
Convoca as profundidades deste mar
Onde os nossos corpos flutuando
Se fundem no segredo das marés

Quantas estrelas esse artigo merece?

Classificação média 5 / 5. Votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a classificar esse artigo

Como você achou este artigo útil ...

Partilhe-o nas redes sociais

Lamentamos que este artigo não lhe tenha sido.

Ajude-nos a melhora-lo!

Diga-nos como podemos fazê-lo.

close

Quer receber as nossas notícias em primeira mão?

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

Mais Por Explorar

Sesimbra

Há uma pintura de luz Derramada como óleo perfumado sobre a minha cabeça Uma espécie de unção marítima Ao ritmo da ondulação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.