Em busca da Páscoa perdida

Era uma aldeia da Beira Alta, janelas abertas para a Serra da Estrela. Uma aldeia igual a tantas outras: igual na pobreza extrema, na infância desprotegida, na fome, na falta de escolaridade, nos pés descalços, na falta de cuidados médicos. Reinava a toda poderosa Igreja católica, a beatice hipócrita. O mafarrico- dizia-se – espreitava em todos os cantos.

Clara suspirava pela chegada da Páscoa que trazia consigo a Primavera – dias tão felizes! Antes chegava a quaresma e Clara, família católica, não gostava nada daquelas semanas tristonhas. Tinha medo ir à Igreja, os Santos, nos seus altares dourados cobertos com véus roxos, o Sr. Prior com paramentos roxos, tudo roxo à sua volta…

A Mãe não perdoava: tinha que se confessar, tinha que comungar. obedecia, tinha sentimentos de culpa:

– Sr. Prior, menti à minha Mãe, andei à bulha com a Zeza do Cimo do Povo, passei uma rasteira à Cândida de Além do Ribeiro…

A voz irrompia do fundo da escura casinha de madeira onde Clara se ajoelhara:

– E maus pensamentos, tiveste maus pensamentos minha menina?

Que não, que não tinha tido. Pelo tom de voz percebia que era pecado, coisa grave. Corria para casa: – Mãe, explica-me. O que queria o Sr. Prior dizer?

– Deixa lá, minha Clarinha. Agora não tenho tempo para explicações. Vai brincar, anda …

E aquela coisa da bula, a “desobriga”? Na missa, o Sr. Prior, anunciava aos Caríssimos Irmãos que era pecado comer carne em tempo de Quaresma. Carne só se pagassem a “desobriga”

Resumindo: os ricos comiam carne durante todo o ano, incluindo o período da quaresma porque esse direito vendia-se e eles compravam. Os pobres que só muito raramente comiam carne, continuavam a só muito raramente comerem carne. Não tinham dinheiro para a comprar, muito menos para pagar a “desobriga”.

Logo chegava o Domingo de Ramos, a seguir ao Domingo de Páscoa.

Na bênção dos ramos, depois da missa do meio dia, o largo da Igreja ficava atulhado, a abarrotar de gente miúda e graúda. Todos se conheciam, todos queriam levar o ramo mais vistoso, receber a bênção divina e colocá-lo, devidamente benzido, nas portas e janelas das suas casas para proteção divina de toda a família. Feito com amor: ramos de oliveira, de alecrim, de rosmaninho, de flores cheirosas.  Bem longe ficariam as ameaças do mafarrico, o ramo traria saúde, boas colheitas, prosperidade, harmonia. Clarinha, em bicos de pés, esticava o braço para o seu ramo ser benzido com água benta. Percebia a importância do momento, tudo ficaria bem com os seus queridos pais, com os manos até ao ano seguinte.

A missa de Domingo de Páscoa, da Ressurreição de Jesus, era um momento alto. As famílias, pobres ou ricas com os seus melhores fatos, esquecia-se a dureza da vida. Fazia-se tarde e todos ansiavam pelo almoço melhorado daquele dia.

Pais e filhos, tios, primos, avós todos irmanados à volta da mesa no almoço festivo de domingo de Páscoa. A Mãe começava a cozinhar de véspera. A imagem da Mãe na cozinha, do milagre dos mil e um cheiros que impregnavam a casa… Clarinha mal podia esperar pelas sobremesas que enfeitavam o velho aparador: arroz doce, leite creme com farófias, pão de ló, pudim, amêndoas. Um tempo interminável à mesa, lá chegava por fim a ordem do Pai: Meninos, peçam licença para saírem da mesa.

Era o que queriam ouvir! Uma explosão de alegria, bora lá brincar…

Corriam livres no jardim da casa, jogavam à carica, à cabra-cega, saltavam à corda, os rapazes jogavam á pelota.

O jogo de Clara, o que mais gostava, era o jogo das escondidas. Os buxos altos do jardim, eram o esconderijo perfeito. Os buxos saudavam-na com a sua voz de buxo “…uma voz pequenina, húmida e verde” (in “O rapaz de bronze” de Sophia de Mello Breyner).

Faltava ainda a visita Pascal: o Sr. Prior visitava todas as casas de todos os paroquianos, acompanhado por sacristães, acólitos e uma procissão de miúdos suspirando pelos doces oferecidos pelos donos da casa. Clarinha e os irmãos beijavam, temerosos, os pés de Cristo na cruz. A casa era abençoada com água benta. O Padre só voltaria a entrar lá em casa na Páscoa seguinte e aquele era um momento muito solene para todas as famílias.

Continua a haver Domingos de Ramos, Domingos de Páscoa. Almoços de Famílias reunidas, crianças a jogar às escondidas. Felizmente. Mas, tantos “mas” pensa Clara. Demasiados. Cada um pertence a alguém que ela amou e que nunca mais estará presente no almoço festivo de Páscoa ou de um outro domingo qualquer…

“Vamos lá, Clara. Só existe o hoje e em ti vivem muitos dos que já não estão. O teu hoje é este domingo primaveril em família. Aproveita-o, mergulha na onda, ama os que te rodeiam, distribui alegria”.

Assim seja!

Margarida Maria Almeida

Oeiras, Páscoa de 2022

Quantas estrelas esse artigo merece?

Classificação média 0 / 5. Votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a classificar esse artigo

Como você achou este artigo útil ...

Partilhe-o nas redes sociais

Lamentamos que este artigo não lhe tenha sido.

Ajude-nos a melhora-lo!

Diga-nos como podemos fazê-lo.

close

Quer receber as nossas notícias em primeira mão?

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

Rui Veiga

Da primária ao secundário, nas escolas da Vila, da Ginástica no CDPA à Natação e ao Polo Aquático na piscina da Escola Náutica, muito aprendi nesta terra onde vivo. Hoje com formação em História de Arte e Desenho, abracei o desafio da Voz de Paço de Arcos, de ajudar a manter um jornalismo cívico, público, de contato próximo e comunitário.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    Usamos cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.